19 maio 2018

Resenha: Hoje e sempre - Nora Roberts



Autora: Nora Roberts
Páginas188
Ano2018
EditoraHarlequin
GêneroRomance de época/ Romance Contemporâneo
Compre: Amazon
Nota: 5
/5
*Cortesia da editora

Sinopse 

Daniel MacGregor sempre soube que construiria um império. Por isso, aos 30 anos e trabalhando para conquistar seu segundo milhão, ele decide que é a hora certa de encontrar a mulher perfeita para casar e começar uma família. As melhores candidatas são aquelas de linhagem forte, silenciosas, bonitas e que queiram ficar em casa cuidando dos futuros filhos. Anna Whitfield não se encaixa nesse perfil. Ela é a única mulher da turma de medicina e aspira ser uma ótima cirurgiã. A última coisa que Anna deseja é se casar e ter filhos, pois isso iria interferir na sua dedicação à carreira médica. Mas Daniel não vai deixá-la fugir da atração que sentem, mesmo que para isso tenha que ignorar seus instintos que imploram por um casamento e aceitar a proposta de Anna de apenas morarem juntos. Essa situação será um escândalo que apenas o amor poderá superar! Finalizando o arco da família MacGregor, Hoje e sempre vai emocionar as leitoras com uma história controversa e repleta de amor!
Estou atrasada para postar essa resenha. Já tem quase dois meses que li esse livro, mas com a correria  do dia-a-dia não consegui separar um tempinho para falar sobre ele. Hoje vou remediar isso.

Começo dizendo que essa história é deliciosa, eu sou uma fã de carteirinha dos livros da Nora Roberts, porque essa mulher sabe como cativar um leitor. Sabe aquele tipo de romance que tem toda a pegada de romance de época, mas não chega a ser de época? Esse é assim. Na realidade essa história pode ser considerada de época, pois a maior parte dela se passa em meados do século XX, lá pelos anos 40.
"Hoje e sempre", é o quinto livro da série Os MacGregors, mas pode ser lido antes dos outros, sem qualquer problema, pois trata-se da história de amor dos patriarcas MacGregors, enquanto as outra histórias vão ser sobre os filhos do casal.
Mesmo que não tenha lido os outros, se joga na leitura que você vai amar!
Daniel MacGregor não teve uma vida muito fácil na infância e adolescência, era muito pobre e sempre teve que ralar muito para conseguir sustentar sua família. Mas se tem uma coisa que Daniel tem é ambição, vontade de se superar e de ter mais, tudo isso aliado aos fato dele ser persistente e ir a luta, fez dele o homem podre de rico que é.
O Daniel adulto se acostumou a ter tudo do bom e do melhor na hora que quer e do jeito que bem desejar, ele podia convencer qualquer um a se dobrar à sua vontade, mas um dia ele acaba "caindo do cavalo" quando a mulher que ele deseja, não tem a mínima intenção de se curvar às suas vontades.

Durante a leitura bateu aquela vontadezinha básica de dar uns bons tabefes no Daniel, porque ele me tirava do sério com suas atitudes machistas. Mas a gente consegue entender que ele simplesmente representa o pensamento masculino da época, ele é o típico homem do século XX, que pensa que a mulher deve ficar em casa cuidando do lar e dos filhos, mantendo-se sempre bonita para agradar o marido. Enquanto o macho alfa, tem que trabalhar para garantir o sustento da família.
Daniel tinha verdadeiro horror às mulheres feministas, ou àquelas que queriam ter uma profissão.
Anna Whitfield é uma garota à frente do seu tempo, super decidida e com vida própria. Além disso, ela sonhava em ser uma médica e lutava para conseguir isso. Em uma época que os bancos das faculdades de medicina eram basicamente todos ocupados por homens, Anna desafiou o sistema e ocupou seu espaço na academia.
Ela não sonha em se casar, ter filhos e viver em função do marido e da família, na realidade ela sonha com o dia-a-dia agitado de um hospital, igual ao que ela trabalha, mas não como uma simples enfermeira que é no momento, sim como médica respeitada e de renome. 
Quando os caminhos de Anna e Daniel se cruzam é paixão à primeira vista, ao menos da parte de Daniel. Anna representava tudo que ele sempre desejou, uma moça bonita, delicada e fina para ser mãe dos seus filhos, até que ela abre a boca e demonstra ser muito mais do que uma "dondoca cabeça oca".
“  - Faculdade de medicina? – As sobrancelhas de Daniel se uniram. – Você não vai ser enfermeira? – A voz carregava a perplexidade de um homem que não compreendia e tinha pouca tolerância por mulheres profissionais.- Não- Anna esperou até senti-lo relaxar. – Vou ser cirurgiã.
[...]- Ser médico é profissão de homem.- Aprecio sua opinião. Acontece que não acredito que existe “profissão de homem” se uma mulher é capaz de exercê-la.”
Assim como nós, meras mortais, Anna não é imune ao grandalhão ruivo com sangue escocês. Daniel consegue ser muito charmoso, ele é uma personagem muito cativante e não tem como não se apaixonar. Mas aquela vontadezinha de esganá-lo por conta das atitudes machistas permanece até o final do livro kkk. Não que ele seja um babaca escroto, pois eu entendo que ele é apenas um homem como outro qualquer de sua época, sua teimosia e persistência só reforçam seus defeitos.
Uma coisa que eu gostei bastante foi o fato de que mesmo a Anna sucumbindo-se ao charme dele, amando-o como nunca imaginou que iria acontecer, ela não abaixa a cabeça para as atitudes e desejos dele. Daniel pensa em se casar ter uma família grande, até aí tudo bem, mas nós e a Anna conhecendo ele do jeito que conhecemos, sabemos que ele não vai permitir que ela continuasse com a faculdade e muito menos exercendo a medicina no futuro. Ele queria uma mulher linda do seu lado, que cuidasse da casa e dos filhos...
Mesmo perdidamente apaixonada, o papel de dona de casa submissa não cabia à Anna, além disso, ela realmente deseja ser médica com todas as forças do seu ser. 
Quando Daniel coloca ele contra a parede com aquela história de " ou a medicina ou eu..", Anna responde que quer ele e a medicina, mas não quer seguir os termos dele. Então, ao invés de aceitar ser esposa dele, ela propões que seja apenas um casal morando juntos na mesma casa, sem que ela tenha que mudar o nome Whitefield para MacGregor (bem ousada essa menina!). Claro que não é a vontade de Daniel, mas ele acaba aceitando. E durante o tempo que passam juntos  ela vai ensiná-lo que a profissão dela é tão importante quanto a dele e que não vai desistir.
Acho que acabei falando demais.
Tive a impressão de que só desci a lenha no Dani, mas não quero que vocês fiquem com a impressão de que ele é um péssimo mocinho, ele não é. Dani é  maravilhoso e os defeitos dele o faz ser um personagem melhor e mais complexo. Durante a leitura você vê que ele realmente ama a Anna, aquele amor puro, não apenas desejo sexual e vontade de sair trepando a todo o momento. Ele sofre por ser como é, mas acaba fazendo o possível para ser um homem melhor para Anna. 
Esse livo é lindo, só tenho isso a dizer...
É uma história bem rapidinha de ler, com menos de 200 paginas, uma leitura completamente envolvente e maravilhosa. A gente consegue realmente sentir as personagens e mergulhar dentro da trama.
Outra coisa bem interessante sobre esse livro é que ele começa narrando a vida de Anna e Dani já velhos, pais e avós de família, quando Daniel sofre um acidente de carro e fica desacordado no hospital e como toda a família fica angustiada com isso. Depois a narrativa vai para o passado, mostrando como eles se conheceram e tudo o que passaram para ficar juntos.
 Eu fiquei bastante angustiada para saber o que iria acontecer com ele, se conseguiria sobreviver ao acidente. Depois que a autora nos conta toda a história deles, fazendo eu me sentir mais intima do casal, ela volta para o presente e deixa a gente com o coração apertado torcendo para que dê tudo certo para o Dani.
Dei cinco estrelas e favoritei esse livro, será que preciso dizer que recomento fortemente?
Tenho outros dois ou três livros dessa série na edição antiga  de livraria econômica, então pretendo, assim que possível, ler os anteriores.

Me conta aí se já leu esse livro, nessa ou nas outras edições de banca, ou se ainda pretende ler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário